Associação Criança na Arte Sarajane

segunda-feira, abril 11, 2005

Clipping - Tabuleiro

24/02/2003

Cleidiana Ramos


Década de 1980. O Carnaval da Bahia foi conquistado por músicas que embalavam uma dança chamada deboche. Para seguir os passos, uma das canções-chave era Merengue e Deboche, que dizia: “Eu quero me debochar é no merengue/E ver você bailar”, na voz da que seria a primeira das musas da axé music: Sarajane.

O tempo passou e ela, como outros da mesma época, deu à carreira novos rumos. Sarajane Tude, 36 anos, continua cantando, mas a sua música, agora, serve também ao uso filantrópico. Ela é a diretora da ONG Acasa, que organiza shows e outras manifestações culturais para recolher donativos destinados a instituições que realizam trabalhos beneficentes.

Além de Merengue e Deboche Sarajane gravou os sucessos O Côco, composta por Carlinhos Brown e A Roda, de sua autoria e uma das que ditavam os passos da dança da galinha. Mas aí o mercado da axé foi mudando. “Não digo que eu, Luís Caldas, Banda Reflexus, Olodum e tantos outros formamos um movimento. Era uma movimentação. Se fosse um movimento não tinha sido derrubado pela grande indústria”, analisa Sarajane.

A cantora, que estreou em trio elétrico aos 14 anos, está preparando o CD República Latina, que chega ao mercado em abril ou maio. Com composições de Calazans, Gerônimo, Juan Luís Guerra, Carlinhos Brown, dentre outros, vai trazer ritmos afro-latinos e o resultado do que buscava quando deixou o que agora se chama axé music, em 1992. “Queria me reciclar, aprender, buscar novos ritmos”, completa.

Fonte: Jornal A Tarde